O Papa Francisco em audiência, na sexta-feira (11/09)

O Papa Francisco em audiência, na sexta-feira (11/09)
Não devemos permitir que a economia entre no mundo da saúde com prepotência, penalizando os aspectos essenciais como a relação com os doentes.

"O doente é muito mais que o protocolo dentro do qual ele se enquadra do ponto de vista clínico. A prova disso é que quando o doente vê a sua singularidade reconhecida, aumenta a confiança na equipe médica e num horizonte positivo (...) Não devemos permitir que a economia entre no mundo da saúde com prepotência, penalizando os aspectos essenciais como a relação com os doentes. Neste sentido, são louváveis as diversas associações sem fins lucrativos que colocam os pacientes no centro, apoiando suas exigências e perguntas legítimas e também dando voz a quem, devido à fragilidade de sua condição pessoal, econômica e social, não consegue se fazer ouvir". O Papa ressaltou que “a condição de doença recorda a atitude decisiva para o ser humano que é a de confiar-se. Confiar-se ao outro, irmão e irmã, e ao Outro com letra maiúscula que é o nosso Pai celestial. Lembra também o valor da proximidade, do tornar-se próximo, como Jesus nos ensina na Parábola do Bom Samaritano”. “Quanto cura uma carícia no momento oportuno! Vocês sabem melhor do que eu”, concluiu. (Papa Francisco aos participantes do Congresso Mundial de Ginecologia Oncológica).

 

Quinta, 20 de Agosto de 2020